Home / Big Brother / Nucha perde a melhor amiga por causa da filha…

Nucha perde a melhor amiga por causa da filha…

Uma gritaria no camarim da SIC terminou com uma “amizade de irmãs” de sete anos. A cantora relata todos os pormenores, não disfarça a tristeza e até chora, mas ressalva a vida difícil daquela com quem passou noites às gargalhadas — do cancro ao fim de um casamento de 21 anos
TEXTO JOSÉ PAULO CANELAS, COM HUGO ALVES –  REVISTA TV GUIA
Em 2006, a cantora Ana participou na V Companhia e Nucha foi a sua maior apoiante, primeiro, e companheira nas galas, depois, após a expulsão, ao fim da segunda semana do reality show da TVI. Sete anos volvidos, tempo de uma cumplicidade em que “éramos irmãs”, adianta a ex-“tropa”, os dados estiveram quase a inverter-se: Nucha entrou no Big Brother VIP e Ana seria, naturalmente, a sua “representante”. Mas não.

[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

 
Uma zanga feia, há poucas semanas, pôs fim a uma relação quase umbilical. “Nos concertos das Gerações [já lá vamos…], ficávamos sempre no mesmo quarto, passávamos noites inteiras às gargalhadas, é disso que tenho pena e saudades”, recorda Ana, enquanto as lágrimas lhe escorrem pela face. “Conhecíamo-nos dos bastidores, mas tornámo-nos grandes amigas precisamente na altura da 1.2 Companhia, quando ela tinha poucos espectáculos devido à ligação à Igreja Evangélica. Era como se fôssemos irmãs!”, repete.

No último domingo, na gala do BB VIP em que a mãe foi salva pelo público, menos votada do que Hugo Sequeira (expulso) e Francisco Macau, a filha da cantora, Catarina Trindade, dizia à TV Guia que “a mãe e a Ana qualquer dia reconciliam-se“, mas a verdade é que é na jovem que está a chave do problema, conforme nos conta Ana, confirmando tudo o que a nossa revista publicou em primeira mão. “O Projecto Gerações – eu, a Nu-cha e a Catarina ia ao Querida Júlia, da SIC. Na véspera, a Nucha ligou-me às 21:30 a dizer que já não podíamos ir como combináramos – elas de vestidos e eu de calças, com base nos pretos e prateados. No dia seguinte, levantei-me mais cedo, fui a uma boutique, comprei uma t-shirt cor-de-laranja e lá fui eu”, começa por contar.

A zaragata deu-se no camarim: “Elas chegaram mais tarde e já vinham chateadas, porque tinham tido um problema no estacionamento, pois só havia um lugar para as Gerações e o meu carro já lá estava. A Nucha começou a disparatar comigo por causa da cor da t-shirt – por acaso até tinha uma preta alternativa, mas a Catarina disse-me logo assim: ‘Queres é brilhar, vá, brilha!’ E eu respondi-lhe: ‘Eu até com um saco de batatas brilho, porque quem tem brilho próprio não precisa de holofotes. E sou uma senhora, tu és uma menina’. A Nucha defendeu-a: ‘Não falas assim com a minha filha!’, reagiu, aos berros.

Acabou por ser a produção a sanar a questão… “Para apaziguar tudo, até vesti a t-shIrt preta, mas a produção entendeu que ‘as meninas estão alteradas, é melhor não fazerem o programa.’ Nunca tive problemas com ninguém, nunca cheguei atrasada a lado nenhum… e agora isto? Resolvi logo a questão: liguei à Piedade Maio, a nossa manager, mãe do Paulo Trindade [ex-marido de Nucha], por quem tenho carinho, e disse-lhe que saía das Gerações.” Uma posição irreversível? “Sim! O projecto tinha um ano e pouco, nasceu nos finais de 2011 comigo, a Nucha e a Mónica, depois ela saiu porque queria estar mais tempo com o filho. A Dora substituiu-a, mas ficou pouco tempo – o ambiente era bom, independentemente de ela namorar com o Paulo Trindade, que foi casado 21 anos com a Nucha e de quem está separado há um. Já este ano, entrou a Catarina. A Nucha disse-me que ‘para dar uma oportunidade, dou-a à minha filha’. Se foi um erro?

[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

 
Não sei… é outro estilo, ela fazia covers em inglês…” Segue-se uma crítica velada à “menina”: “Para se ser cantora é preciso amar a profissão, muito sacrifício. Eu queria ser cantora quase desde que nasci…” Já quanto à reconciliação com a “amiga–irmã”, Ana não fecha a porta: “Estava à e-pera que a filha da Nucha caísse na real, que me pedisse desculpa, mas até hoje só a Piedade falou comigo. Não sei se quando a poeira assentar… É como nos casamentos: pode sempre dar-se uma segunda oportunidade, mas nunca é a mesma coisa.., já não é como dantes. Com a Nucha, talvez, mas teria de haver uma grande conversa entre nós. Com a filha.., só se vier pedir-me desculpa, mas como sei que não o fará, porque é muito orgulhosa, não vejo possibilidade! Eu quero é cantigas, paz e amor, se as pessoas forem correctas comigo… tudo na boa”, resume.