Violência domestica entre jornalistas da TVI… colocam TVI em polvorosa

Os jornalistas da TVI, Emanuel Monteiro e André Carvalho Ramos, foram namorados durante dois anos. A relação acabou a mal, alegadamente com agressões, ameaças e queixas por violência doméstica.


Essa mesma queixa fez com que várias testemunhas da redacção da TVI fossem chamadas, algo que terá provocado um mau ambiente na redacção.

Foi Emanuel Monteiro que fez a denuncia nas redes sociais, “Fui vítima de violência doméstica durante mais de um ano, de forma consecutiva e, a cada episódio, mais grave. Começou com um estalo e acabou com um espancamento, dentro da minha própria casa. Foi no dia do meu aniversário. Estava sem telemóvel, trancado, impedido de fugir ou de pedir ajuda. Estive à espera, durante todos os minutos daquelas três horas, que o agressor abrisse a gaveta da cozinha e de lá tirasse uma faca para acabar com o pouco que ainda restava de mim. Fiquei gelado de medo, morto de espírito enquanto era agredido sem dó, nem piedade. Não consegui, sequer, defender-me. Foi o pior que me aconteceu na vida, mas, felizmente, ao contrário do Miguel, fiquei cá para contar a história. Hoje, o agressor está muitas vezes, muitas horas, a 3 metros de mim. E tem tanto em comum com o desta história horrível. Às vezes, ainda tenho medo, muito medo”

O Jornal SOL dá conta que agora a queixa crime e o respectivo processo criou tensões na TVI já que ambos arrolaram vários colegas como testemunhas.


O Ministério Público considera que “o arguido incorreu na prática em autoria material de um crime de violência doméstica” e por isso “requer que seja arbitrada uma quantia a título de reparação pelos prejuízos sofridos ao ofendido”.

André Ramos está sujeito ao termo de identidade e residência “por não se afigurar necessária a aplicação de medida de coação mais gravosa“.

Já foram chamadas mais de 20 testemunhas, a maioria da TVI, mas ainda alguns da RTP e Correio da Manhã, onde André Ramos também trabalhou.