Home / Geral / Vasco Oliveira: Um presidente que também é jogador

Vasco Oliveira: Um presidente que também é jogador

É costume haver treinadores-jogadores mas presidentes-jogadores não é uma situação tão habitual. Contudo, no Candal, equipa da Divisão de Honra da Associação de Futebol do Porto, é isso que acontece. Vasco Oliveira, presidente do emblema gaiense, calçou as chuteiras no passado domingo e foi decisivo na vitória sobre o Perosinho.

Apesar de apenas ter 30 anos, o filho do ex-selecionador nacional António Oliveira, decidiu regressar aos relvados para compensar a falta de avançados que o Candal atravessa. No entanto, o jogo com o Perosinho foi também o cumprir de um sonho para Vasco Oliveira.

«Não jogava há cinco anos, o meu último clube tinha sido o Aliados de Lordelo. Mas eu tinha um sonho, que era jogar no meu clube que é o Candal. Joguei nos escalões de formação mas nunca na equipa sénior», afirma o presidente-jogador do Candal.

«Não passava de um sonho e como nunca joguei no distrital e entretanto também deixei de jogar futebol, pensei que não se iria concretizar. Com o desenrolar do tempo e com as necessidades ofensivas da equipa, fui treinando para precaver alguma situação. Não havia qualquer pressão por estar a treinar e o objetivo era apenas estar mais perto do grupo, que é espetacular e por quem vou ao fim do mundo», conta

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

«Tivemos algumas hipóteses que saíram furadas e ainda contratámos dois jogadores mas mesmo assim não chegava para as nossas necessidades. Costuma-se dizer que quem não tem cão, caça com gato e foi isso que fizemos. Voltei a jogar no último domingo, fui titular e fiz a assistência para o primeiro golo na vitória por 2×1», acrescenta.

Presidente-jogador até ao final da temporada

Agora que finalmente concretizou o sonho de jogar pelo Candal, o encontro com o Perosinho não foi apenas um caso isolado. Vasco Oliveira vai continuar a fazer parte do plantel, naquela que é uma opção pensada para «o bem de todos».

«É verdade que não é normal um presidente ser jogador mas também não está escrito que é proibido. Agora é para continuar. É uma opção importante porque posso dar mais qualquer coisa à equipa, jogo de borla e não me importo de continuar para o bem de todos. Há pouco dinheiro mas aquele que há que seja para os jogadores».

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

Mas afinal, o que fez Vasco Oliveira, que tornou-se conhecido do grande público após ter participado num reality show, ter deixado o futebol tão cedo, sendo eleito presidente do Candal em 2011?

«Deixei de jogar aos 26 anos porque o futebol já estava numa fase de decadência e hoje ainda está pior em termos financeiros. Acabei por me desmotivar e o tempo que perdia no futebol, se perdesse noutra coisa qualquer, se calhar, seria mais rentável», revela.

«Mas as coisas às vezes mudam de um momento para o outro. Por exemplo, não imaginava que no domingo ia estar dentro do campo a jogar e a cumprir o sonho de vestir a camisola do Candal enquanto sénior», termina.

Fonte: zerozero