Home / Shark Tank Portugal / Segundo programa de SharkTank Portugal nos 100 mil

Segundo programa de SharkTank Portugal nos 100 mil

SharkTank Portugal teve este sábado o seu segundo programa. Os tubarões voltaram a analisar mais cinco projetos.

Contas feitas, foram investidos 100 mil euros em três negócios apalavrados. Dois dos negócios da noite foram rejeitados.

Tim Vieira fechou dois negócios investindo um total de 45 mil euros enquanto Mário Ferreira fechou dois negócios no valor de 55 mil euros.

Conhece os negócios do segundo programa de SharkTank Portugal:

Smart Helmet

Daniel, Kelve e Armando frequentam um curso profissional de eletrotecnia e têm 17 anos. Pediram 25.000 em troca de 25% da empresa. Trata-se de um sistema destinado às motos que impede o veículo de arrancar sem que o condutor tenha o capacete de segurança colocado.

Os empreendedores acabaram por escolher a proposta de Mário Ferreira que ofereceu 30 mil euros por 48% da empresa. O negócio foi fechado.

Roselyn Silva

Roselyn pediu 50 mil euros em troca de 50% da empresa. Trata-se de uma marca de vestidos africanos com cortes europeus.

Os tubarões criticaram os números da jovem estilista que consideraram desfazados da realidade. Os tubarões foram-se excluindo do negócio.

Tim Vieira acabou por fazer uma proposta, que foi de encontro aos valores pedidos pela empreendedora. Mário Ferreira entrou na proposta em sociedade com Tim Vieira, dividindo o investimento.

S.T.E.P.

Pedro Gonçalves e Manuel Júnior pediram 350 mil euros por 10% da empresa. Trata-se de um sistema de transporte e elevação de pessoas em estruturas verticais.

A diferença do negócio reside no facto de ser o único sistema do mundo que permite elevar pessoas no mundo. O sistema foi ridicularizado por Mário Ferreira que não acredita no sucesso da patente que os empreendedores colocaram à aprovação.

Nenhum dos tubarões resolveu investir no negócio.

Waffleria

Rui Guerra pediu 20 mil euros por 15% da empresa. Trata-se de uma empresa que cria waffles belgas com uma receita especial.

Os tubarões não se mostraram especialmente interessados no negócio afirmando que as waffles eram normais.

Tim Vieira ofereceu 20 mil por 35% da empresa. Rui acabou por aceitar a proposta.

Kupy

Vera Mayer pediu 10 mil euros por 10% do negócio. Trata-se de um apoio de costas para ser utilizado nas piscinas e praias.

Os tubarões mostraram-se interessados no produto mas não gostaram particularmente da avaliação de Vera. Tim Vieira foi o único empreendedor que fez uma proposta que foi de 100 mil euros por 100% da empresa. A empreendedora não aceitou a proposta e o negócio não se realizou.