Home / Big Brother / Ricky e Daniela: 11 anos depois do “BB Famosos”

Ricky e Daniela: 11 anos depois do “BB Famosos”

O “Big Brother” com famosos está de volta à TVI. A Maria relembra-lhe a história de amor de Ricky e Daniela Faria.

Estávamos em 2002 quando a TVI decidiu revolucionar o mundo das vedetas e criou o “Big Brother Famosos”. Ricky e Daniela Faria foram dois dos concorrentes que fizeram os portugueses colarem‑se à televisão. E em apenas sete dias todos conseguiram ver o início de uma linda história de amor. “Apesar de parecer que eu andava a fugir dela, a verdade é que nós entrámos no dia 7 e no dia 27 estávamos juntos. Ficámos logo rendidos”, assume Ricky, 11 anos depois de trocar o primeiro beijo com a atual mulher. A verdade é que, se por um lado, o cantor parecia estar à defesa quando entrou no programa, talvez por o casamento que mantinha com Dália Madruga estar em fim de tempo e ter medo de se voltar a apaixonar, já Daniela, assim que viu a fotografia de Ricky, rendeu‑se.

[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

“Ela infringiu as regras e viu‑me antes de tempo”, diz Ricky, a sorrir. “É verdade, pedi para ir ao centro comercial fazer as unhas e depois de muita insistência, consegui. Entretanto, fugi da menina da produção e fui comprar revistas para ver quem eram as pessoas com quem eu ia partilhar casa. Folheei a revista e vi a foto do Ricky e disse logo: ‘Que gatinho.’ Não sabia nada sobre a história dele, mas fiquei rendida. Já no dia da estreia tentei meter conversa antes da entrada, mas ele só dizia sim e não e eu achei logo que não tinha hipóteses”, assume Daniela.

 

Depois do primeiro beijo, o casal não mais escondeu o que sentia. Porém, foram muitas as críticas que se levantaram e depois de um romance mal sucedido entre Dália Madruga e Ricky, vários eram aqueles que diziam que o ex‑Milénio iria voltar a sofrer. “Todos diziam que eu ia fazer sofrer o Ricky e quando saí e li o que se dizia nas revistas, é claro que fiquei triste, mas esperei que ele saísse para ver como ia ser a nossa vida dali para a frente”, assume a brasileira. “É óbvio que, quando saí, muitos me avisaram para ter cuidado e eu próprio tive cuidado, porque o nosso relacionamento dentro da casa correu bem, mas cá fora tínhamos de ver se havia condições de continuar. E houve”, recorda Ricky.

 

Porém, depois de um ano em Portugal, Daniela teve de regressar ao Brasil. Ainda assim, e apesar de estar em casa, o coração da atriz permanecia em Portugal e ver o namorado apenas de dois em dois meses tornou‑se insuficiente. “O ano em que estivemos separados foi muito difícil. Passava o dia todo a chorar com saudades, até ao dia em que a minha mãe me disse: ‘Estou farta de te ver chorar. Vai para Portugal.’ Quando ela me disse isso, eu não hesitei e vim”, recorda.


[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

[wp_bannerize group=Geral3 random=1 limit=1]

A doença de Guilherme

Daniela e Ricky estiveram sempre longe de imaginar o quão felizes iriam ser, principalmente no momento em que descobriram que iam ser papás. “Em julho, eu vim definitivamente para Portugal e em novembro descobri que estava grávida, o que para mim era impossível, uma vez que sofria de endometriose e muitas mulheres com este problema não conseguem engravidar. Mas Deus esteve connosco e deu‑nos um bebé”, conta, feliz, a ex‑concorrente. No entanto, um ano depois de o filho nascer, uma doença súbita de Guilherme, hoje com sete anos, abalou a vida do casal.

 

“Tínhamos acabado de voltar do Brasil quando o Guilherme nos pregou um grande susto. Descobriu‑se que ele tinha apenas três mil plaquetas, quando devia ter 150 mil. Entrei em pânico”, recorda Daniela. “Nessa altura, o mundo caiu‑nos. Sinceramente, pensei no pior para o Guilherme. Acho que foi a primeira vez na vida que senti mesmo medo”, acrescenta o cantor. Hoje, ter mais um filho parece não fazer sentido para o casal. “Na altura em que isso tinha de acontecer, não aconteceu. O Guilherme precisava de muita atenção e o tempo passou”, assegura a atriz. “Agora, isso nem nos passa pela cabeça, porque a crise assusta qualquer um e para ter outra criança, ela teria de ter acesso ao mesmo que o Guilherme teve, o que agora não é possível. O futuro assusta‑nos, assusta‑nos a crise e a criminalidade que com ela nasce”, termina Ricky.