Home / Geral / Petra: “Foi o Estado que pagou as minhas mamas”

Petra: “Foi o Estado que pagou as minhas mamas”

Poucos dias após ter sido expulsa da “Casa dos Segredos”, Petra Spínola foi convidada para posar em lingerie. A madeirense diz que gostava de retocar o nariz e revela que o aumento do peito foi comparticipado pelo Estado.

Exausta depois da saída da “Casa”, Petra não aguentou o cansaço e cancelou vários compromissos profissionais marcados.

Esteve 85 dias na ‘Casa dos segredos’. Como avalia a sua prestação?

No geral, foi uma prestação positiva, sem dúvida. Tive dias muito bons, mas também tive dias menos bons. Mas acho que na última semana já estava a ser uma semana menos boa e estava na altura de sair.

Que imagem acha que os portugueses têm de si?

Não faço a mínima ideia. Espero que seja uma imagem positiva. Sei que não dá para agradar a toda a gente. Mas não quero que as pessoas pensem mal de mim…

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

O que aconteceu para ser expulsa, depois de ter sido salva por diversas vezes?

Foi a minha prestação. Já não estava a ser a mesma que era inicialmente. Estava mais em baixo. Não estava a conseguir levar aquilo no desportivismo e sentia-me cansada do jogo. Basicamente já queria desistir…

Pensou que ia aguentar tanto tempo fechada numa casa?

Não fazia ideia de que a ‘Casa’ era tão polémica, que houvesse tanta rivalidade. Mas já vivi longe da minha família quando fui para a faculdade e estava um pouco habituada a estar longe das pessoas de que mais gosto. Mas aguentei bem, tirando a parte do fim.

Agora que chegou cá fora, como foi regressar à vida real?

Ainda nem saí à rua, nem faço ideia do que me espera. Só vejo o que está nas revistas e é difícil ler algumas coisas que não são bem verdades, outras ‘será que são, será que não são?’…

Já falou com o seu namorado?

Já, já, óbvio.

O que disse ele?

Disse-me que eu nesta semana já estava mesmo muito cansada do jogo e que já estava na altura de sair.

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

O seu namorado é mesmo o médico Armando Barbosa, como se tem especulado?

Não vou confirmar ainda o nome do meu namorado enquanto não soubermos o que vamos fazer. O doutor Armando Barbosa é, sim, o meu médico das dores. Se é namorado ou não, ainda não posso confirmar.

Porquê?

Para já, terei de falar com ele sobre isso, ainda não conseguimos ter uma conversa sobre esse assunto. E depois vamos decidir. Mas não vamos andar sempre escondidos, como é óbvio.

Acha que a vossa relação saiu fortalecida com estes quase três meses de separação?

Sim. Isto só veio provar o quanto eu gostava dele, porque se não gostasse se calhar não estava com ele hoje em dia. Ter-me-ia envolvido com alguém lá dentro da ‘Casa’.

Dentro da “Casa dos segredos” passou a ideia de ser emocionalmente instável. É essa a verdadeira Petra?

Não. A Petra que estava lá dentro é uma Petra que vivia a vida a mil. Cá fora, sou uma Petra mais calma.

O desmaio dentro da “Casa” fê-la pensar que teria de desistir?

Sim. Queria desistir mesmo. Nessa altura, já estava muito carregada, muito stresse, já estava na hora de sair.

Enquanto esteve no programa da TVI escreveu-se que era bipolar. Tem dupla personalidade?

Não, nada disso. Eu brincava com isso. Sou um ser humano, temos dias bons e temos dias maus. Se calhar era das pessoas que mais se notava que mais falava ali na ‘Casa’ que mais queriam pôr na rua e sentia-me um pouco atacada. Às vezes, levava a coisa na desportiva, outras levava mais a sério. Não sou bipolar, nem nenhum médico disse que sou bipolar.

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

Nem nunca tentou suicidar-se?

Não, nada disso. Isso já é um exagero. Nunca pensei em nada disso. Tenho respeito pela minha família e jamais pensaria fazer isso.

Não tem receio de que a imagem que mostrou no reality show a venha a prejudicar no futuro?

Acho que não. As pessoas não devem levar a ‘Casa’ muito a sério. Aquilo é um jogo e temos de fazer o nosso jogo. Eu sou a Petra, sou concorrente ali, mas quando dou aulas sou uma pessoa completamente diferente. Não vou saltar para cima de uma mesa e começar a cantar.

 

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE (CLICA AQUI)