Home / Big Brother / Pedro Guedes: Família em guerra contra Kelly

Pedro Guedes: Família em guerra contra Kelly

Artigo da Revista TV Guia

Há três meses a casa do Big Brother VIP recebeu 16 concorrentes, entre eles Pedro Guedes e a brasileira Kelly Baron, que após poucas semanas na casa mais vigiada do País se aproximaram e acabaram por se apaixonar e assumir uma relação.

No início do programa, a família de Pedro desvalorizava a aproximação: Pedro e Telma Santos tinham partilhado a mesma casa na semana anterior à entrada do concorrente no programa, apesar de já estarem separados desde Outubro.

PEDE O TEU CARTÃO YORN EXTRAVAGANZA DE BORLA AQUI

Na altura, a desculpa para a semana que passaram juntos foi Maria Gabriela, de cinco anos, filha do casal, mas a TV Guia sabe que Pedro e Telma dormiram junto e estavam a dar uma nova oportunidade ao amor. Kelly Baron veio destruir o sonho da modelo, que percebeu que tinha perdido o campeonato para a brasileira. Também para os pais de Pedro foi uma surpresa esta relação, pois aquilo que pensavam que iria ser um caso tornou-se em mais do que isso e hoje em dia Pedro e Kelly mantêm uma relação acesa perante milhões de portugueses e, certamente, irão querer viver juntos, algo que o pai do modelo, José Guedes, não quer que aconteça na sua casa.

[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

“O Pedro estava a viver connosco no Porto desde o início do ano, agora a Kelly ir também para lá viver é que é mais complicado. Porque eu tenho um sótão lá em casa e eles são muito grandes e podem não caber lá”, diz entre risos. E acrescenta num tom mais sério: “Ela não vai lá para casa, mas se tiver que ir, recebe-se. Mas a vida deles já está muito avançada para isso, não sei, talvez vão viver juntos para qualquer lado”.

Sobre a paixão do filho pela advogada brasileira, o pai dos manos Guedes revela que tudo começou com uma amizade. “O Pedro jogou muito bem ao longo de todo o programa. Seguro na relação com a Kelly? Não! O meu filho e a Kelly tinham uma amizade que se transformou em mais qualquer coisa, mas isso foi uma forma de os dois chegarem à final”, diz o pai do finalista.

EM DEFESA DE TELMA

Apesar de publicamente os pais do modelo internacional afirmarem que aceitam Kelly, o que é certo é que em privado o casal não queria esta relação e gostava que Telma e Pedro voltassem um para o outro. “Gostávamos que eles se dessem bem e que contínuassem juntos, embora com umas zangas normais de vez em quando, o que é normal em todos os casais. Porque a Maria Gabriela é nossa neta e elas vão fazer sempre parte da nossa família”, conta o progenitor.

A mostrar o carinho que sentem por Telma Santos está o facto de, cada vez que os pais do concorrente vêm a Lisboa, já que vivem no Porto, para assistir às galas do Big Brother VIP, estão com a neta e a nora. “Das quatro vezes que fomos a Lisboa estivemos com a Telma e a Maria Gabriela três vezes. A última vez que estivemos juntos foi quando fomos ao São João, em Setúbal, que é bastante bonito. Andámos a passear os quatro e foi muito divertido mais de uma hora”, descreve satisfeito.

[wp_bannerize group=Geral random=1 limit=1]

Sempre com muito cuidado, José conta que não podem comentar nada em frente a Maria Gabriela porque “ela é muito inteligente e percebe tudo”. “Aliás, ela pode estar distraída a fazer qualquer coisa, mas está sempre atenta às conversas que se falam baixinho. A minha neta e a Telma podem contar connosco para o que precisarem, gostamos muito da nossa neta e para o bem de todos, não só dela, espero que ela não saiba da relação do pai com a Kelly“.

Quando questionámos José de como Telma Santos se encontra com toda esta situação, José foi peremptório ao dizer que não deve ser fácil para a modelo assistir a tudo. “Isto não é o fim de uma relação normal, tem muita visibilidade e está muito exposta, o que faz com que a Teima tenha uma posição mais nervosa em relação a isto. É normal que ela esteja assim, ao ver o pai da filha envolvido com outra”. Sobre as esperanças de Telma, José acha que aquela semana que Pedro passou em casa da modelo fez parecer que havia hipótese de uma reconciliação. “Ela devia ter esperanças que fizessem as pazes e eu gostaria que isso tivesse acontecido“, revela.