GeralInsólito

Gerente das pastelarias Maria Bolacha em Famalicão é desumano

Hoje o motivo da minha publicação é MUITO SÉRIO.
Há poucas horas atrás, estava eu e alguns familiares a sair de um café do centro da nossa cidade (Vila Nova de Famalicão) quando um senhor se aproximou de nós e pediu dinheiro para comer, como normalmente faz, a minha mãe disse-lhe que dinheiro não lhe dava (pelas razões óbvias) mas que, se tivesse fome, lhe pagava um bolo. O senhor, muito humildemente, pediu então para lhe pagar um galão (um copo de leite com café), e assim foi.

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

A minha mãe entrou no café que pouco antes tão bem nos tinha servido, acompanhada pelo dito senhor, e pediu um galão e um bolo, enquanto o senhor escolhia o bolo, o gerente do estabelecimento aproximou-se do senhor e EXPULSOU-O, HUMILHANDO-O de uma forma DESUMANA. Como é óbvio, instalou-se um certa confusão, mas o gerente não se demoveu da sua decisão e o senhor, EM LÁGRIMAS E HUMILHADO, acabou por sair.
O senhor acabou por comer o seu bolo e beber o seu leite, CÁ FORA, por respeito á minha mãe (palavras do próprio)….

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

Meus amigos, na verdade nem tenho muito a dizer além de relatar o que aconteceu…. sinto uma ENORME VERGONHA por partilhar o ar que respiro com alguém assim, e que fique claro que me refiro ao INERGUMENO do gerente que não soube ver a FOME na cara de um homem, que não soube respeitar um seu semelhante, que julgou alguém pela aparência…

Para que não hajam confusões direi a que estabelecimento me refiro, chama-se MARIA BOLACHA, mas devo também acrescentar que me refiro há acção de apenas uma pessoa, O GERENTE, pois os funcionários sempre me mereceram o maior respeito e acredito que por eles nada disto teria acontecido.
Nada mais acrescentarei porque a minha INDIGNAÇÃO e a minha VERGONHA são tão grandes que por muito que escreva nunca será suficiente..

O post foi retirado pela Maria Bolacha, mas recuperei o post original :)

Artigos Relacionados

34 Comentários

  1. Incrivel!
    O karma mais tarde ou mais cedo vai fazer uma visita a esse gerente! Mas o problema nao é ele, é a mentalidade das pessoas, pois como ele, ha montes deles no nosso pais!

  2. A sua mãe não devia ter permitido tal atitude , acredito que se sentiu envergonhada pelo ato do gerente , mas nestas situações temos que ser firmes e por o gerente no seu lugar

  3. Coisas destas são para se registar no livro de reclamações não no facebook… aqui não resolves nada. Peixeirada aqui para que?

  4. realmente esta situação é constrangedora, mas a melhor atitude era pedir o livro de reclamações e exigir uma cópia para que pudesse expo-la nos direitos do consumidor e dignidade humana. Aki nada resolve, apenas palavras e desabafo que são levadas pelo vento e pelo tempo. A atitude é bonita da sua mãe, mas a humilhação de quem necessita é muito maior, daí que necessitava ser escrita, no livro de reclamações.

  5. Para L. – sabe uma coisa infelizmente o povo dá mais importância
    ao facebook e a TV, e como se tem visto nos dias de hoje os casos que são expostos
    nestas circunstancias são mais depressa resolvidos do que se for feita uma mera
    reclamação no Livro de Reclamações, que é tão obrigatório, mas que nunca é
    verificado pelas entidades competentes, tem empresas que abrem e fecham as
    portas e nuca são inspeccionadas…. por isso acho muito bem que demonstrem as
    suas indignações onde bem lhes apetecer, desde que façam chegar aos olhos do
    mundo inteiro respeitosamente, da forma como este senhor o fez.

    O grande problemas de algumas pessoas como este dito cujo Gerente, é que falam
    de barriguinha cheia, porque pensão ter o seu lugar garantido para o resto da
    vida, e não dão valor as dificuldades das outras pessoas, espezinhando e
    envergonhando os outros…

  6. Boa noite!
    Ja alguém vi com atenção o comunicado das Pastelarias Maria Bolacha?

    Por muito desumano que a atitude vos passa parecer, todos nos estamos de fora desta situação, então ambos os lados (Maria Bolacha e o dito cliente) contam a sua versão da história!

    Visto do ponto de vista do Maria Bolacha (que supostamente conhece o sujeito a mais tempo): Sujeito que por diversas vezes entra no estabelecimento a “pedir” e tendo um parecer desfavorável mal trata os clientes, todos os dias trocar cerca de 30 a 40 euros (quando o ordenado mínimo se trata de 24,25 euros diários) portanto não se trata de fome certamente, isto caso o dinheiro seja única e exclusivamente para se alimentar, o que desconfio!

    Antes de avançar, sendo o vosso estabelecimento que faziam postas estas circunstâncias?

    Visto do ponto de vista do cliente, quando abordado por um sujeito que realmente aceita um alimento, pensando que estará a fazer uma boa acção, volta a entrar e sente-se indignado com a expulsão do mesmo, como e perfeitamente normal e compreensível.
    O que é certo é que não sabia os antecedentes do sujeito neste estabelecimento, e por vezes é importante um diálogo.

    Como clientes, entravam num estabelecimento mal frequentado mesmo que este fosse de requinte?

    Para concluir não sei para quê tanta conversão quando a maior parte não sabe o que aconteceu, portanto não danifiquem o Nome Maria Bolacha nem do Gerente!

    Como funcionário no ramo compreendo claramente a posição do Gerente, que por fazes tem que tomar decisões por mais complicadas que sejam e ai será comente ele a dar a cara!

    Deixem-se de conversas, e de alpinar!

    Haverá alguém que irá resolver a situação da forma mais Justa!

    Cumprimentos

    1. O Sr. André só tem de observar o seguinte ponto:
      Independentemente de todas as possibilidades que apresentou, para todos os efeitos o homem era um cliente. Sim, porque acompanhava outro cliente que pagava a despesa. Ou seja, a conta estaria garantidamente paga e é assim que funciona a lei da oferta e procura. Portanto, tudo legal. Independentemente de o homem ser trapaceiro, indigente, mentiroso, homossexual, ou o raio que o parta. Aqui trata-se de puro preconceito, arrogância. Falou em estabelecimento de requinte? Só se for no requinte de maltratar e humilhar um cidadão.

    2. O Sr. André só tem de observar o seguinte ponto:

      Independentemente de todas as possibilidades que apresentou, para todos os efeitos o homem era um cliente. Sim, porque acompanhava outro cliente que pagava a despesa. Ou seja, a conta estaria garantidamente paga e é assim que funciona a lei da oferta e procura. Portanto, tudo legal. Independentemente de o homem ser trapaceiro, indigente, mentiroso, homossexual, ou o raio que o parta. Aqui trata-se de puro preconceito, arrogância. Falou em estabelecimento de requinte? Só se for no requinte de maltratar e humilhar um cidadão.

      Nota: Muito estranho, nos tempos que correm, um pedinte ter quantias de 30€ e 40€ para trocar. Assaltará diariamente os bancos da cidade?

      1. Por vezes não interessa ganhar algum dinheiro quando por outro lado se vai perder outros clientes. Se vi-se um sitio mal frequentado entrava?

        “garantidamente paga e é assim que funciona a lei da oferta e procura” – sem nenhum valor

        Se falasse-mos em lei, todos os estabelecimentos têm direito de admissão, não se tratando portanto de preconceito nem nada que se compare, pois sim de selecção de clientes!
        Imaginemos que o sujeito estava proibido de lá entrar, aproveitando-se do simples facto de um cliente lhe ter oferecido algo, e “esqueceu”!

        Incomodar os clientes vezes sem conta e motivo suficiente para proibir qualquer pessoa de frequentar o espaço!

        Sim de requinte, sou cliente habitual e não coloco nada em questão, sempre fui bem atendido e com classe!

        Um pedinte ter quantias de 30 a 40 euros diárias não é assim tão estranho quanto lhe parece, acredite.

        Mas continuo a dizer que as pessoas falam mais do que sabem! Não alpinem, pois um boato pode ser uma causa de fecho de um estabelecimento!

        Cumprimentos

        1. Pode ter a certeza que o Maria Bolacha não irá muito longe com esta política de admissão/selecção que lembra os nazis. Pois é de preconceito em preconceito que subimos a escada da solidão. Ou da falência, neste caso.

          E não me obrigue a falar muito mais, pois o espaço em questão só é mesmo “requintado” para com os ditos clientes seleccionados. Pergunte aos funcionários que por lá trabalham se eles são tratados com todo o requinte laboral. Pode ser que tenha surpresas.

          E sempre gostava de ver um sem-abrigo a apresentar diariamente quantias de 30€/40€. Isso daria um salário de mais de 1000€ mensais. Quanto português de classe média terá esses montantes?Tenha dó!

          1. Falência será fácil através das pessoas argumentarem sem saberem muito concretamente a história em questão, não passando assim de um mero boato…
            Só podemos falar quando conhecemos ambos os lados realmente, ja por isso identifiquei os dois pontos de vista!

            Tenho pena da sociedade em que vivemos, mas de ambos os lados, porque temos pessoas que falam se saber e porque, por vezes é mesmo, tal como disse, preconceito. O que não me parece neste caso!

            Estamos simplesmente a falar a situação em questão, mas relativamente aos funcionários dou-me relativamente bem, e parecem-me gostar do que fazem, apesar de que por vezes trabalham horas a mais, o que e perfeitamente normal nesta área (hora de entrada e sem hora de saída).
            Mas já agora agradecia que me falasse desse “requinte Laboral”, já que desconheço.

            Sem-abrigo e pedintes são coisas diferentes, a maior parte desses sujeitos em famalicão não são sem-abrigos, mas sim pedintes, que poderiam fazer outras coisas, mas devido a varias circunstâncias da vida não o fazem, portanto…. Vicios são vicios!

          2. Um lugar de requinte, não são as paredes mas sim as pessoas que o frequentam e nele trabalham. O requinte é a educação, a classe que se tem ou não se tem independentemente do dinheiro que possua.

          3. Pedir não é crime, e ele por entrar no estabelecimento para pedir não pode ser proibido de entrar. E atiras para o ar “vícios são vícios” , tas a querer dizer que é um toxicodependente. Não sabes a historia de vida do homenzinho, as vezes opções erradas na vida levam-te para esses caminhos. Já andei enterrado na droga, e se me conheceres nunca dirias que fui toxicodependente. Por isso não julgues as pessoas pela aparência. E podes ter a certeza que vou ao Maria bolacha envergonhar esse gerentezico de MERDA. Ele que reze para nunca chegar ao ponto desse homem, ou ter alguém na família, amigos, etc. Não se sabe o dia de amanha. E essa treta de espaço com requinte a mim não me diz nada. Prefiro um TASCO da aldeia em que sou bem atendido, muito bem servido, e pago 10 vezes menos. Espero que toda a cidade de Famalicão fique a saber do que se passou e que deixe de ir ao REQUINTADO Maria bolacha. Só tenho pena dos outros funcionários, mas depois disto acredito que só lá estão pelo dinheiro.
            Cumprimentos Sr.André

          4. Será que ele não compra droga??? será que ele não agredia a senhora e lhe levava todos os seus pertences caso ela nem o bolo lhe desse????? pensem gente…. estamos a caminhar para tudo isto e vocês ainda não acordaram

      2. nunca ouviu falar do cego que pedia todos os dias no metro de lisboa e que se descobriu que tinha uma enorme vivenda com piscina e era milionario? quanto julga que recebe por exemplo um arrumador de carros por dia? dia mau minimo 50 euros , sem descontos , e esta hem?

        1. Isso devia ser no tempo das vacas gordas. Agora não há dinheiro nem para os arrumadores. Resumindo, é mais fácil elogiar atitudes de arrogância, desprezo e humilhação do que estar do lado dos mais fracos. À imagem e semelhança de quem tão sabiamente nos governa.

          1. não estou do lado de ninguem apenas comentei o facto de dizer que não ganhavam 40 euros por dia, infelizmente ou felizmente aina ha muitas vacas gordas em portugal senão não se viam os centros comerciais cheios, hoteis etc… infelizmente a riquesa esta muito mal destribuida aqui e em todo o mundo, se as pessoas em vez de se queixarem tanto tentassem fazer algo para mudar tudo isto isso sim era de se ver

          2. e ao contrario do que diz é sim muito mais façil ficar do lado dos mais fracos, parece sempre bem nunca se fica mal ;)

  7. Por vezes quem está de fora e ouve apenas uma versão, ou assiste à parte final, não sabe o que há por trás disso e então neste caso estão a a falar de mais e do que não sabem.

    Se estivessem lá a tomar um simples café com uma amiga/amigo e fossem interrompidos por um senhor que está no estabelecimento, mas que este está com uns copos a mais e não sai da vossa mesa, o que faziam???? Chamavam o Gerente para o retirar dali para fora? A resposta que vocês queriam ouvir era k o homem já bebeu 2 garrafas de vinho e faturei 10euros com ele, vocês só tomaram 2 cafés no valor de 1,30.

    Provavelmente este senhor que se diz ser um mendigo já fez distúrbios desses nesse mesmo estabelecimento. O homem que passa o dia a pedir e que ao final do dia troca 30 ou 40 euros em moedas vindo de pessoas que passam dificuldades em suas casas e não podem dar 1euro ao filho para levar para a escola, mas como têm bom coração oferecem 1euro a este senhor que está na rua(não o conhecem de lado nenhum) que no final do dia vai trocar as esmolas para comprar droga, ou então oferece o lanche e ele aceita….
    Mas ainda há outra hipótese que é a de a senhora não lhe oferecer nada e seguir o seu caminho e à frente ter uma faca apontada ameaçando-a, aí fica sem todos os seus pertences e na maior parte das vezes com recurso a violência.(conhecem casos destes???)

    Independentemente do estabelecimento que é, acho que se deve respeitar a posição do gerente, que está a olhar pela sua casa, pelo bom ambiente,civismo e acima de tudo garantir segurança dos seus estimados clientes.

    Nota: eu não conheço o Maria Bolacha, e até trabalho na concorrência (Latino’s), por isso não estou aqui pelo nome Maria Bolacha mas sim pelos colegas de profissão, porque já estive na posição dele diversas vezes.

    Sejam mais calmos e não desrespeitem ninguém, hoje foi com ele mas amanhã poderá acontecer com qualquer um de vocês nos vossos trabalhos e verem-se sozinhos como neste caso.

    Cumprimentos

  8. Alpinar ou Opinar Sr. André?
    Independentemente de todas as razões que se possa enumerar, existe o respeito ao próximo, que há muito pouco hoje em dia. Um homem, tal como foi descrito, sai de lágrimas nos olhos e humilhado quando expulso do estabelecimento duvido muito que vá trocar quantias de dinheiro desse porte, não acredito que ninguem se deixe humilhar e espezinhar dessa forma quando não precisa. Independentemente do tipo de estabelecimento, temos todos o dever moral e ajudar o próximo.

  9. Isso ja e fama do Maria Bolocha ja foi a da madalena sentei m para ver a bola quando acabou o jogo vim me embora sem ser atendido portanto so tive la 105 minutos +ou- sem o empregado perguntar o k ker…

  10. Fugindo um pouco ao tema. Se fossem como eu nem entravam em tal comércio, eu tenho vergonha de dar a ganhar ao dono desse estabelecimento, esse sim é um verdadeiro animal!!! Abriu varias Maria Bolachas e outros estabelecimentos à custa das empresas que andaram lá a trabalhar que ficaram “arder”, muitas delas a passar sérias dificuldades por causa desse dono que tem a mania de mandar fazer tudo e depois chega ao fim e não paga!!! Cria fortunas à custa dos outros, caloteiro de merda!!!!

  11. Fugindo um pouco ao tema. Se fossem como eu nem entravam em tal comércio, eu tenho vergonha de dar a ganhar ao dono desse estabelecimento, esse sim é um verdadeiro animal!!! Abriu varias Maria Bolachas e outros estabelecimentos à custa das empresas que andaram lá a trabalhar que ficaram “arder”, muitas delas a passar sérias dificuldades por causa desse dono que tem a mania de mandar fazer tudo e depois chega ao fim e não paga!!! Cria fortunas à custa dos outros, caloteiro de merda!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo