Home / Geral / Idosa chama a polícia por gato lhe roubar um frango

Idosa chama a polícia por gato lhe roubar um frango

A polícia gastou 2000 libras, quase 2500 euros, ao enviar uma carrinha e dois agentes para investigar um gato que tinha roubado um frango da cozinha de uma idosa.

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

Dorothy Howling-Neame, de 75 anos, chamou as autoridades depois de o gato dos vizinhos ter entrado em sua casa, curiosamente, por uma entrada para gatos, e de ter roubado um frango da sua cozinha. Os agentes da polícia de Kent, na Inglaterra, apareceram então à porta de casa de Paul e Janine Watson para os interrogar sobre o seu gato de estimação, Pebble.

“Perguntei aos polícias quando é que ia custar às pessoas que pagam impostos o envio de dois agentes. O polícia respondeu que a média eram 2000 libras. É absurdo”, disse Janine, de 46 anos, ao jornal britânico The Sun. “Este país já tem confusão que chegue sem que a polícia seja chamada por causa de um gato“, acrescentou.

[wp_bannerize group=”Geral” random=”1″ limit=”1″]

A dona do gato colocou ainda no seu Facebook pessoal uma fotografia do animal, dizendo: “Acabei de ter aqui a polícia, a mulher do outro lado da estrada telefonou-lhes… por causo do meu gato!!! Aparentemente o meu gato fez com que molhasse as calças e comeu o jantar. Eles olharam para ele e riram-se, mas disseram que tinham de seguir a ocorrência, e, para todos nós pagadores de impostos, disseram-me que custava 2000 libras saírem à rua. Ah, e a melhor parte, vieram numa carrinha de intervenção contra motins”.

A vizinha, porém, não concorda. Dorothy defendeu a sua decisão de ter chamado a polícia: “A porta de gatos é para os meus gatos. A última gota foi ele ter roubado o frango”, disse a mulher.

Também em declarações ao The Sun, um porta-voz da polícia local disse que “a pessoa que telefonou levantou problemas relacionados com um gato, mas que também tinham a ver com preocupações pela sua própria qualidade de vida”. De acordo com o porta-voz, os polícias responderam ao último ponto de queixa da chamada, afirmando que “problemas com gatos não são o tipo de problema da polícia”.