Home / Geral / Homem enfiou garfo de 10 centímetros no pénis

Homem enfiou garfo de 10 centímetros no pénis

Um homem de 70 anos foi operado, no hospital de Camberra, Austrália, para remover um garfo que tinha inserido na sua uretra. O homem procurava alcançar “gratificação sexual”.

O caso foi divulgado pelo “International Journal of Surgery Cases”, no início deste mês, depois de um homem ter sido admitido no hospital de Camberra com uma hemorragia na uretra. O caso revelou-se muito incomum, depois de um raio X feito ao homem de 70 anos ter confirmado que um garfo, com aproximadamente 10 centímetros, estava espetado dentro na sua uretra.

De acordo com o “Camberra Times”, o homem contou aos médicos que tinha inserido o talher dentro do pénis quase 12 horas antes, certo de que alcançaria uma melhor “gratificação sexual”. O homem só procurou ajuda médica quando percebeu que não conseguia remover o garfo, preso dentro da uretra.

É óbvio que a mente humana é desinibida e até mesmo criativa“, escreveram os autores do artigo publicado no “International Journal of Surgery Cases”.

Os médicos conseguirem remover o talher através do uso de uma pinça e de uma “abundante” quantidade de lubrificantes, enquanto o paciente se encontrava debaixo de anestésicos. O homem de 70 anos saiu sem lesões no pénis e regressou a casa após a intervenção médica.

O estímulo autoerótico com a ajuda de auto inserção de objetos dentro do corpo existe desde tempos imemoriais e tem apresentado uma série de casos incomuns, mas conhecidos pelos médicos“, escreveram os autores do artigo.

Segundo especialistas, esta não é a primeira vez em que um homem insere um objeto no seu órgão genital. Nos últimos nove anos, só na Austrália, registaram-se cerca de 20 casos semelhantes.

Outros objetos bizarros, como canetas, alfinetes, cabos de telefone, cola, cocaína, palha, pedras, lâmpadas, cenouras e até cobras e sanguessugas já foram encontrados presos em pénis, em casos anteriores.

Na maioria das situações, os pacientes só procuram ajuda médica depois de ultrapassarem a vergonha e de desistirem de tentar remover, em casa, os objetos que inseriram no corpo.

Artigo do Jornal de Notícias